segunda-feira, dezembro 26, 2005

Tempo

Já faz tempo que não atualizo este blog. Os motivos são vários. Primeiro parei, abismada e triste pela queima do ônibus aqui no Rio com pessoas dentro. E o espanto só foi crescendo com os dados que vieram depois: uma criança de 13 anos, participou do horror... Depois houve problemas pessoais que me tiraram o resto de ânimo que sobrara. Nunca tive grande apêgo à uma vida humana: a minha. Não, não sou deprimida ou suicida. Mas sempre me senti como que "passando" pela vida (como quem passa de ônibus por uma cidade), sem grande vontade de conhece-la. Mas uma vez que o ônibus resolveu entrar na cidade, vamos lá !
Preferiria, ter um objetivo, por exemplo: salvar pessoas de acidentes (ser paramédico), ou ser assistente social (já que nunca poderia presenciar pessoas acidentadas, passaria mais mal do que elas), enfim fazer algo pelos outros, do que criar uma vida pra mim. Não é por eu ser "boazinha"; é que não vejo sentido em tentar criar uma vida maravilhosa, ou seja "ser feliz" como todos repetem hoje em dia, enquanto tantas pessoas precisam de ajuda, pra ter uma vida com um mínimo de decência. Não acredito nesta felicidade. Mas acabei caindo na armadilha da suposta "vida feliz". Embora me sentisse representando um papel.
Pois bem, fui uma canastrona neste papel e não realizei um dos outros. Resumindo não fiz feliz a mim e nem a outra(s) pessoa(s). Ah sim, eu tentei. Mesmo nao acreditando nisso, eu tentei. Acabei confusa e (o que não era antes) infeliz.
Mas sou otimista (apesar do tom melancólico do que escrevi) e acho bom ter acordado a tempo.
Há tempo?

domingo, outubro 30, 2005

vida



"Et je voudrais mourir, un soir, sous un ciel rose,
En faisant un bon mot, pour une belle cause ! "
Edmond Ronstand

Quisera eu morrer um dia, sob um róseo céu,
dizendo uma palavra boa, por um belo ideal !

quinta-feira, outubro 20, 2005

Pecados


Levei um susto quando abri a janela no domingo: a Lagoa estava um lixo, emporcalhada por algo que, do meu ponto de vista, parecia ser ou uma mortandade de peixes, ou uma suspeita espuma branca, recolhida com uma rede. Desci para ver o que estava acontecendo: num primeiro momento, respirei aliviada. Não era nem mortandade nem espuma tóxica. Eram os restos daquele criativo evento da turma do SIM, que, com as bênçãos da governadora, jogou na Lagoa, como se esta fosse a lata de lixo do Palácio Guanabara, milhares de cruzes de isopor, representando, segundo os organizadores, “os mortos por armas de fogo”. Trecho da coluna de Cora Rónai no Jornal O Globo de 20/10/2005
Terremoto na Cachemira, furacões nos EUA e Caribe, terremoto no Japão, tsunami na Indonésia, enchente na India, previsão de um dos anos mais quentes do século, gripe do frango no mundo, cem baleias e golfinhos morrem encalhados na Austrália (sem explicação) e muito muito mais. Meus Deus será possível que os dirigentes deste mundo, não atinem para o fato do respeito começar pelo lugar onde pisam? Sei que TODOS nós temos nossa parcela de responsablidade na loucura desenfreada que domina esse planeta, mas essas pessoas estão na posição de defender
os interesses da população que vive aonde? Em Marte? Não há mais grandes heróis, só interesses mesquinhos, o "ser feliz"a qualquer preço e por qualquer preço. O poder(cobiça), a irresponsabilidade ( preguiça), a fama (soberba), a riqueza(avareza), o sexo (luxúria), o desperdício (gula), a violência( ira). Todos devidamente compreendidos e perdoados. Por quem?
Pelo visto a Terra não nos perdoa...

terça-feira, outubro 11, 2005

Em sua teia


Meus olhos te viram triste
Olhando pro infinito
Tentando ouvir o som do próprio grito
E o louco que ainda me resta
Só quis te levar pra festa
Você me amou de um jeito tão aflito
Que eu queria poder te dizer sem palavras
Eu queria poder te cantar sem canções
Eu queria viver morrendo em sua teia
Seu sangue correndo em minha veia
Seu cheiro morando em meus pulmões
Cada dia que passo sem sua presença
Sou um presidiário cumprindo sentença
Sou um velho diário perdido na areia
Esperando que você me leia
Sou pista vazia esperando aviões
Sou o lamento no canto da sereia
Esperando o naufrágio das embarcações

Esperando aviões - Vander Lee

quinta-feira, setembro 29, 2005

Prazer em conhecer


Nos posts anteriores havia alguns trechos de redações do Enem. Estão em vários sites. Sim, são engraçados. Mas confesso que me causaram uma certa tristeza também. Embora houvesse alguns erros que poderiam ser causados por pressa ao escrever ou lapsos de memória, os mais engraçados (e graves) eram os que vinham de uma ausência de conhecimento sobre o assunto ou/e incapacidade de raciocinar. E o assunto em questão nem era algo específico de certas profissões, era (seria) de interesse geral. Qual a graça então? Além da vaidade e do elitismo (afinal todos falamos bobagens, mesmo sobre assuntos que conhecemos, mas em geral elas contam com a condescendência de nossos pares), creio que é pela tentativa feita por alguns de fingir que sabem algo que só ouviram falar sem interesse, e pela incapacidade de raciocínio de outros, cujas respostas mostravam dificuldade ou preguiça de pensar.
Em ambos os casos há um desprezo pelo conhecimento que vem ganhando espaço em todos os setores da sociedade. É o ter em vez de ser, o fingir que sabe em vez de aprender, o enganar em vez de estudar. Saber, outrora trazia status. Havia respeito por aquele que ensinava e pelo que queria aprender, Agora uma geração inteira se perde num denso nevoeiro de falta de perspectivas ou anseios.
No mundo todo. No fim de cada frase há um sorriso amarelo de quem a lê que diz no seu íntimo : e agora?.

domingo, setembro 25, 2005

Achou pouco ?




"Os homens brasileiros, estão acabando com tudo, as árvores para desmartar para fazer tauba e outra coisa." (Qual será a outra coisa?)

"O seringueiro tira borracha das árvores, mas não nunca derubam as seringas." (Estas podem se derrubadas porque são descartáveis.)

"Vamos deixar de sermos egoístas e pensarmos um pouco mais em nós mesmos." (sem culpa!)

"O sero mano tem uma missão..." (A minha por exemplo, é ter que ler isso!)

"A situação tende a piorar: o madereiros da Amazônia destróem a Mata Atlântica da região." (E além de tudo, viajam pra caramba, hein?)

"O que é de interesse coletivo de todos nem sempre interessa a ninguém individualmente." (Entendeu...?)

"Não preserve apenas o meio ambiente e sim todo ele." (Faz sentido.)

"É um problema de muita gravidez."(Com certeza ... se seu pai usasse camisinha não leríamos isso!) "Espero que isso mude aqui no Paraná, que não seja como os outros países." (Este, ama o seu estado).

"Por isso eu luto para atingir todos os meus obstáculos".(pessoa de coragem!)

os comentários em vermelho são meus, os outros são comuns a vários sites, por isso não dei o crédito; não sei quem os fez.

Engraçado?


Trechos de redações dos estudantes que participaram ano passado do ENEM:


"Já está muito de difícil de achar os pandas na Amazônia." (Que pena. Também ursos e elefantes sumiram de lá.)

"A natureza brasileira só tem 500 anos e já está quase se acabando." (Foi trazida nas caravelas, certo?)

"...eles matam não somente os animais mas também os matança de aves peixes também precisam acabar ... os pequenos animalzinhos morrem queimados e asfixados." (Pelo menos esse tem bom coração.)

"...menos desmatamentos, mais florestas arborizadas." (Concordo! De florestas não arborizadas, basta o Saara!)

"Isso tudo é devido ao raios ultra-violentos que recebemos todo dia." (Meu Deus... Haja pára-raio!)

"Tudo isso colaborou com a estinção do micro-leão dourado." (Quem teria sido o fabricante? Compaq ? Apple ? IBM?)

"Imaginem a bandeira do Brasil. O azul representa o céu, o verde representa as matas, e o amarelo o ouro. O ouro já foi roubado e as matas estão quase se indo. No dia em que roubarem nosso céu, ficaremos sem bandeira." (Ainda bem que temos aquela faixinha onde está escrito Ordem e Progresso.")

sábado, setembro 24, 2005

Filmes


Mais filmes... Quero deixar claro que os filmes que coloco aqui, não são aqueles das listas de melhores filmes de todos os tempos, os melhores da crítica, os melhores do público, bilheterias etc. Estou colocando aqui filmes de que me lembro na hora que escrevo. Dificilmente me lembraria de um filme muito ruim, a não ser aqueles tão ruins que são bons. Trash.
Em geral são filmes que me tocaram por algum motivo e ficaram. Estou evitando até colocar dados técnicos, que podem ser procurados.Tudo que escrevo, foi o que ficou.
Bom vamos a eles: já que comecei com temas, vou continuar.
Capa e espada - vou colocar todos os filmes desse período (?), digamos, idade média em diante.
Excalibur - adorei. tem magia, guerra, amor, e a busca pelo santo graal. Sem contar que tem o mérito de ter Carmina Burana na trilha sonora. Nunca mais vi um filme sobre o rei Arthur sem fazer comparações com este. Ah e tem Hellen Mirren. O filho do diretor John Boorman faz o papel do filho de Morgana e Arthur. Depois eu o veria, já rapazinho, num filme de guerra, também dirigido pelo pai. Mas isso é outra história.
O Feitiço de Áquila - presença constante na sessão da tarde e diversão garantida. Protagonistas bonitos, Mathew Broderick cínico e ótimo, tema envolvente, o bem e o mal definidos, redenção e punição. Paz.
O leão no inverno - não é um filme fácil. Mas dá o maior prazer a quem gosta de boas atuações e bom texto. Duelo. Kate Hepburn, Peter O'toole e Anthony Hopkins (novinho). Devo estar sendo injusta, mas são os que me lembro. Deve ter sido peça de teatro pois a ênfase está nos diálogos. Só vi uma vez e gostaria de ver de novo.
Becket, o favorito do rei - acho que é esse o título. Idem o anterior (texto e atores). Richard Burton e Peter O'toole naquilo que sabem fazer bem. Não, não é beber. A história é verdadeira, assisti quando nova e fiquei impressionada, principalmente com as atuações. Que bom que pude ver filmes como esse e o anterior quando era criança. Aprendi a valorizar o que é bom. Creio que nunca mais foi reprisado. Pena.

quinta-feira, setembro 22, 2005

Valores


"É impossível não levar à desonra os honestos quando se honra os desonestos." Caio Graco (154-121 a.C.), tribuno romano.


"É urgente o amor, é urgente permanecer. "Eugénio de Andrade (1923-2005), poeta português.

"Mais valem dois marimbondos voando do que um na mão."Aparício Torelly, o Barão de Itararé (1895-1971), humorista gaúcho.

terça-feira, setembro 20, 2005

Gualzin



Sabe o seriado "viagem ao fundo do mar" ? Não? Nunca ouviu falar? Bem, se quiser conhecer este seriado dos anos 60, ele está sendo reprisado atualmente na Fox aos sábados. Nele, existe um ator chamado David Hedison (que faz o capitão Lee Crane, braço direito do almirante Nelson), que é a cara do ACMzinho (neto do ACM). Confira as fotos. À direita: Acmzinho. Ops ! é o contrário.

Curiosidades: David Hedison é descendente de armênios que fugiram do genocídio de 1915 promovido pelos turcos. Um ramo dos Jafferian vieram para São Paulo. Hedison fala de seus parentes na revista Intervalo de 1967.

Nas cenas em que o submarino era atacado, alguém da equipe técnica ficava segurando um balde e um martelo. Toda vez que ele batia o balde com o martelo, todos os atores inclinavam-se para a esquerda, enquanto a câmara se inclinava para a direita. O martelo acertava o balde outra vez e todos mudavam de lado.

segunda-feira, setembro 19, 2005

Voce quer?



"Enquanto isso, aqui na nave Terra é imensa a lista de comportamentos que deveriam ser sumariamente banidos dos relacionamentos humanos, especialmente por aquelas pessoas que declaram aos quatro ventos ansiar por um bom relacionamento. Ironia, sarcasmo, ciúme, desconfiança, segredamento, mexericos, intrigas, dar excessivo valor aos problemas particulares em detrimento de quaisquer outros, esbaldar-se em atitudes dramáticas, mentir, falar demais em primeira pessoa, vigiar, punir, e muitas mais coisas que se tornaram normais, do ponto de vista estatístico, mas que nem de longe isso as legitima, pois nunca se poderá ter um relacionamento saudável onde houver sequer um rastro dessas atitudes. Agora, quem quer um bom relacionamento? "

Quiroga
Quiroga é astrólogo

domingo, setembro 18, 2005

Nas estrêlas


Há filmes que muitos deixam de ver porque não gostam do gênero. Mulheres (em geral) não gostam de fimes de guerra, policiais, terror. Homens se recusam a ver musicais, romances e dramas. Mas alguns desses filmes embora aparentemente pertençam a um gênero, são de outro, como por exemplo um filme de guerra, pode tratar na verdade de um romance. Spielberg disse que ET tratava na verdade da separação de um casal e o efeito nos filhos (situação que o atingiu muito). Portanto não me prendo a isso; verifico o diretor ou atores ou história. Ou país; gosto de filmes europeus, mas são menos conhecidos e accessíveis. Vou colocar aqui de vez em quando, alguns dos filmes que eu gostei. E se alguém não assistiu por preconceito, de repente pode tentar ver e gostar também.
Religiosos - esses me elevaram o espírito:
In this house of Brede : não sei o título em português e assisti na adolescência, só me lembro que gostei;
Irmão Sol, irmã Lua: além de bonito, ajuda a conhecer a história de São Francisco;
A cancão de Bernadette, idem, preto e branco, conta a história da aparição de nossa senhora em Lourdes, hoje um lugar de peregrinação e curas;
O manto sagrado, muito bom! mesmo quem não gosta do gênero fica encantado ao fim do filme, e é dele que vem o título deste blog.
Guerra- em geral abominados pelas mulheres tem títulos interessantes, até em comédias.
Papai Ganso, basta dizer que é com Cary Grant (procure conhecer outros com o ator), não é muito bom mas lembrei dele; pegar pipoca e relaxar.
Mash, tão bom que virou seriado de tv, ótimo também (aliás eu preferia os protagonistas do seriado), comédia também, um must !
O resgate do soldado Ryan (guerra mesmo), resolvi colocar um recente, porque senão só vai ter velharia! Mas eram melhores mesmo. Esse é bom pois tem menos chavões do que outros deste gênero, mas também tem, tipo: o soldado intelectual, também é covarde, mas vale pela história inédita, e tem Tom Hanks, que aliás merece o ter o respeito que tem na minha opinião, mais pela escolha acertada de filmes do que pelo desempenho neles.Continuo depois...

Elomar


"Todo bem é de Deus que vem,
quem tem bem, louva a Deus seu bem,
quem não tem, pede a Deus que vem. "


Trecho da música Campo Branco de Elomar Figueira de Melo, violonista, cantador, cronista, compositor de muuito talento, com uma obra gigantesca para orquestra e coro, que canta sua terra e sua gente. O disco que reúne ele, Geraldo Azevedo, Vital Farias e Xangai, é uma jóia preciosa, com quatro dos melhores cantadores e violeiros do país. Xangai é um cantor primoroso, que deveria ser incensado pela mídia que parece surda aos anseios de boa música do povo, sim, porque mesmo sem divulgação os Cds Cantoria 1 e 2, há anos vendem muito bem.
Quanto a Elomar, é lamentável e injustificável que sua obra permaneça desconhecida do grande público que se olha no espelho e não se vê, bombardeado por músicas de gosto duvidoso, quando não horroroso, podendo ter momentos de puro enlevo e identificação.
Cantoria 1 e Cantoria 2 (além de Elomar em concerto) são Cds pra ouvir sempre e se emocionar com tanta beleza!